“Países de mesmo porte que o Brasil utilizam bem mais as ferrovias”

Sabemos que o Brasil é um país dependente do transporte rodoviário, seja para o escoamento da produção industrial ou para a locomoção de passageiros, em que 65 % de tudo que é produzido, segundo a Confederação Nacional de Transportes, é transportado via malha rodoviária, o que corresponde a um total de 1,5 milhão de caminhões rodando.

Quando comparado a países de grandes extensões territoriais o Brasil leva desvantagens sobre o uso e aproveitamento do setor ferroviário. Além disso, há uma concentração dessa malha nas regiões mais desenvolvidas do país. Os números são gritantes: de acordo com dados da CIA World Factbook, o Brasil possui uma malha ferroviária de cerca de 30 mil quilômetros de extensão, os EUA com cerca de 293 mil quilômetros, a China com 124 mil e a Rússia com 87 mil.

Dessa forma, fica evidente verificar que países como China, Rússia e EUA utilizam muito mais o meio ferroviário para o escoamento da produção e também para o transporte de passageiros. Além disso, possuem uma malha ferroviária muito superior e mais densa do que a malha brasileira. Por exemplo, os EUA possuem uma densidade de 28,9 quilômetros por 1000 quilômetros quadrados, já o Brasil uma densidade de 3,4 quilômetros por 1000 quilômetros quadrados, segundo dados da CNT (2003).

Para se ter ideia, nos EUA cerca de 42% das cargas são transportadas pelas ferrovias entre as principais cidades americanas e mesmo este país tendo sua base de transporte rodoviária o uso do transporte sobre trilhos é muito representativo para a economia do país. Nas ferrovias estado-unidenses são escoados tanto mercadorias à granel como produtos acabados e ainda contam com forte sistema intermodal que se utiliza de contêineres, combinando, principalmente, o transporte ferroviário com o terrestre.

Por sua vez, a China com seus 124 mil quilômetros de ferrovia que passaram, em 2017, para 127 mil, conta com um sistema de transporte ferroviário muito eficiente em que 25 mil quilômetros são compostos por ferrovias de alta velocidade em que os trens podem chegar a uma velocidade de 350 km/h. Neste país são transportados em média 2 bilhões de pessoas e 3 bilhões de cargas por ano.

Um dado interessante sobre a China é a impressionante malha ferroviária intercontinental que liga China e Espanha, da cidade de Yiwu para Madri, responsável pelo fortalecimento do comércio de commodities da China para o mercado Europeu. De acordo com a Agência Xinhua, as exportações chinesas atingiram a faixa de 48 bilhões de yuans em 2017, o que corresponde a cerca de 7 bilhões de dólares. Há um investimento pesado do governo na expansão e melhoramento do transporte ferroviário Chinês.

Na Rússia, a companhia ferroviária Russian Railways é responsável pelo transporte de 80 % dos passageiros do país e de 82% do transporte de cargas, concentrando 3,6% do PIB russo. Existe cerca de 20 mil locomotivas em operação que transportam por ano cerca de 1,3 bilhão de passageiros e 1,3 bilhão de toneladas de cargas pelo país. Portanto, o transporte ferroviário é o modal mais importante e estratégico para a economia do país, garantindo o escoamento de mercadorias para diversas regiões e o transporte de pessoas de forma mais acessível.

Ao analisar a situação do Brasil em relação ao desenvolvimento do setor ferroviário mundial o  percentual de participação do transporte ferroviário na economia brasileira representa cerca de 24% da produção nacional, com o agravante de se restringir a certos tipos de mercadorias como o minério de ferro, a siderurgia, produtos agrícolas e carvão e, ainda, funcionando a curtas distâncias.

O modal ferroviário brasileiro nunca atingiu o patamar de outros países de grandes extensões territoriais, ficando atrás até de países menores como é o caso da Argentina, que possui uma malha ferroviária com a extensão de 36 mil quilômetros.

Além disso, na história do país houve um sucessivo desmonte do sistema ferroviário em benefício do transporte rodoviário. Da década de 1920 aos dias atuais os investimentos em transportes se concentraram, sobretudo, na expansão e construção de rodovias em todo o território nacional.

Houve ainda a concessão federal das malhas ferroviárias a empresas privadas de logística e mineração, restringindo o desenvolvimento do setor a poucos mercados. Cabe ainda ressaltar que os trilhos brasileiros não são padronizados, dificultando a interligação das estradas férreas.

Outro ponto negativo é fato de que juntamente com esses traçados antigos e desiguais há um limite de velocidade do transporte de carga que chega ao máximo a 80km/h em trechos considerados bons, ficando em média a uma velocidade de 50 km na maioria dos trechos, e chegando a apresentar distâncias em que os trens circulam a velocidade de 8 km/h.

Realmente o Brasil está muito atrás dos outros países e poderia obter grandes vantagens se investisse mais no setor ferroviário, como por exemplo, na redução da dependência do transporte rodoviário à base de combustíveis derivados do petróleo, na redução da emissão de gases poluentes, na redução de acidentes e tráfego de veículos, na economia do transporte de cargas a longas distâncias, na segurança proporcionada por esse meio de transporte, dentre outros.

Conheça a G4 Cargo

A G4 Cargo tem o compromisso de entregar as melhores e mais ágeis soluções em Comércio Exterior adentrando no Transporte Internacional, Nacional e toda a cadeia logística dos processos.

Os profissionais que trabalham conosco possuem vasta experiência de mercado, agregando valor aos processos comerciais, operacionais e financeiros da empresa.

Buscamos diariamente processos mais eficientes e transparentes, visando a melhor relação entre custo-tempo-benefício.

Conheça melhor os nossos serviços e entenda por que fazer negócios com a G4 Cargo do Brasil é a melhor solução para sua empresa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: